22 de ago de 2012

Um pequeno achado


É como se tudo em mim fosse o universo. A aparência tranquila, praticamente estática, mas poucos sabem que ocorrem explosões a todo momento. Explosões capazes de criar novas galáxias, mas que também podem trazer muita destruição.
A cabeça é como um vulcão ativo: amedronta, traz medo constante. Às vezes a erupção é inevitável, e quando acontece dói intensamente. É preciso aguentar, juntar o que as lavas não varreram e recomeçar.
O coração ainda é como um planeta recentemente descoberto. Planeta esse muito distante, motivo de muita curiosidade e de constantes indagações. Porém, não há ainda quem tenha encontrado forma de explorá-lo...

Escrito há  pouco mais de um ano, no finalzinho de uma incrível aula de Língua Portuguesa.
Fico em êxtase quando encontro algo que escrevi há tempo  e é como se tivesse escrito ontem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário